TaxFile BlueFile BitFile SegFile

Check-in

Tenha sempre o cartão de embarque e a sua identificação pessoas à mão.

Antes de partir deve ser feita uma lista dos bens que se deseja transportar, tendo sempre em consideração que existem alguns artigos que são proibido e que existe um peso limite para o transporte da bagagem (excedido esse limite é cobrada uma taxa extra).

As condições afetas ao preço de transporte,  peso e dimensões da bagagem de mão 3e de porão variam, nomeadamente, nas companhias low-cost.

Antes do ponto de rastreio no aeroporto, retire da sua mala computadores portáteis e outros aparelhos elétricos/eletrónicos de grande dimensão e dispa o casaco, uma vez que estes serão examinados em separado.

Evite viajar com acessórios de metal (colares, pulseiras, cintos, sapatos), pois poderá ter que retirar tudo quando passar pelo detetor de metais.

Os medicamento , produtos dietéticos ou comidas para bebés para consumo durante a viagem só são permitidos na bagagem de mão mediante uma prova médica da sua necessidade durante o período do voo;

Já na bagagem de porão existem igualmente alguns artigos que são proibidos, como os explosivos, gases, líquidos ou sólidos inflamáveis, substâncias tóxicas, matérias radioativas, produtos corrosivos e combustíveis para automóveis.

A lista completa de artigos interditos está disponível no site do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC).

Antecedência mínima para Check-in:

Voos espaço Schengen                   90minutos

Voos Não-Schengen (Europa)      120 Minutos

Voos Intercontinentais                  180minutos

O site da ANA – Aeroportos de Portugal fornece mais dados sobre o modo de funcionamento do embarque e do desembarque de passageiros e bagagens nos aeroportos.

Self Check-in

Algumas companhias aéreas disponibilizam máquinas para a realização de Self Check-in. Informe-se junto à sua companhia aérea.

Direitos dos Passageiros

Os passageiros têm direitos assegurados em caso de cancelamento ou atraso do voo e de recusa de embarque, ou seja, nas situações em que o número de viajantes excede o total de lugares disponíveis e os cidadãos ficam impossibilitados de embarcar.  Nestes casos, as companhias aéreas são obrigadas a beneficiar os passageiros com o reembolso do bilhete ou com alternativas de transporte. Porém, aos passageiros reserva-se também o direito de não aceitar as condições propostas e pedir uma indemnização. De qualquer modo, a operadora aérea deve ainda fornecer refeições e bebidas, bem como alojamento em hotel, incluindo transferes e meios de comunicação, se necessário.  Estes direitos não estão confirmados nas situações em que a companhia avisa antecipadamente o cancelamento ou recusa do voo.

Se os passageiros sofrerem danos pessoais ou morte em acidente, a companhia aérea tem também de recompensar os visados e adiantar os montantes necessários para suprir quaisquer necessidades económicas que daí advenham.

Também os operadores turísticos podem estar sujeitos ao pagamento de compensações caso não forneçam todos os serviços prometidos nas viagens organizadas. Sobre este tema pode-se consultar o site da Direcção-Geral do Consumidor que explica todas as medidas a adotar.

Queixas

A nível europeu, o organismo que encaminha os cidadãos que pretendam fazer reclamações é o Europe Direct Freephone (e-mail: mail@europe-direct.cec.eu.int)

A Direção-Geral da Energia e dos Transportes da Comissão Europeia faz igualmente o seguimento de queixas e informa sobre as novidades dos processos instituídos (e-mail: tren-aprights@cec.eu.int);

Em Portugal é possível contactar o Instituto Nacional de Aviação Civil.